Empresas de tecnologia inserem novas profissões no mercado

EmpregoGestãoSkills

Profissionais como engenheiros de software, business developer, UX, entre outros são cada vez mais requisitados pelos negócios de TI.

Além de uma cultura dinâmica, produtos e serviços inovadores e maior descontração no ambiente de trabalho, as empresas de tecnologia inseriram no mercado novos tipos de  profissionais. Cargos foram criados e disseminados para melhorar o fator mais importante para qualquer negócio: o relacionamento com o cliente. O desenvolvimento do próprio produto e da empresa podem ser aprimorados por pessoas que trabalhem com análise de dados, previsão de problemas, melhoramento da gestão e crescimento com consistência e segurança.

De acordo com o relatório Futuro do Trabalho, do Fórum Econômico Mundial, divulgado no começo deste ano, 65% das crianças que estão entrando na escola irão atuar em profissões que ainda não existem — a maioria delas ligadas à tecnologia. Por outro lado, segundo um relatório do The New Work Order, 60% dos jovens estão aprendendo profissões que, em 15 anos, serão ocupadas por Inteligência Artificial, o que deve reforçar a necessidade de criação de funções alternativas e mais analíticas nas próximas décadas.

Segundo André Krummenauer, CEO da Involves, atualmente as empresas de tecnologia geram mais oportunidades para essas novas profissões no mercado de trabalho. “Isso se deve a um simples fator: como a tecnologia tem na mudança constante a sua essência, as empresas desse setor precisam estar mais antenadas com o que acontece no mundo para sobreviver no médio prazo”, afirma. A Involves foi apontada como a melhor pequena empresa para se trabalhar em Santa Catarina e a terceira no ranking nacional de tecnologia, pelo GPTW, em 2017.

Seguem seis novas profissões que fazem sucesso nas empresas de tecnologia e no mercado em geral.

Business Developer

Comum em empresas de tecnologia, principalmente fora do país, a função desse profissional é desenvolver o mercado, fazer conexões com possíveis clientes e gerar novas parcerias. Uma das funções de um Business Developer é criar valor a longo prazo para uma empresa a partir dos clientes, conexões e do mercado. Ao mesmo tempo que o profissional abre caminho para novas vendas, ele está de olho nos movimentos de mercado para se aproximar de potenciais parceiros e antecipar tendências. É uma opção usada por empresas que querem expandir seus negócios para outras cidades onde não têm muito relacionamento ou abrir novas frentes de negócios. A Asaas, que desenvolve uma plataforma de gestão para MEIs, conta com um Bizdev, como são chamados esses profissionais, para abrir operação em Florianópolis — a empresa é original de Joinville.

Customer Success

Uma das profissões que são tendências na era digital é a de Customer Success, criado dentro da indústria de software por assinatura (SaaS) e que surgiu para tentar mudar a ideia de todo o pós-venda. Em português significa: gerente do sucesso do cliente . Ele mistura uma série de atividades, como consultoria de mercado, acompanhamento do ciclo de venda do cliente, auxílio na implantação dos projetos. Tudo isso para o mesmo fim: garantir o sucesso do consumidor, uma vez que retê-lo chega a ser 7x mais barato do que adquirir novos. Na Segware, que comercializa softwares para empresas de segurança eletrônica, o responsável pela área garante que os clientes finais usem ao máximo as funções que contrataram, dando apoio quando necessário.

UX

Essa profissão, que vem ganhando a atenção das empresas de tecnologia, é dedicada ao design e à experiência das pessoas com o sistema que foi desenvolvido. Basicamente, o profissional de UX (User Experience) vai pensar na relação entre o usuário e o software. A área se desenvolveu muito desde a década de 1990, aliando os conhecimentos de visual e design às preocupações com usabilidade, conteúdo e arquitetura da informação. Na HostGator, um dos principais provedores de hospedagem de sites e outros serviços relacionados à presença online do mundo, a profissão tem uma grande importância, reforçando a percepção de que fazer design vai além do visual da tela e de que o sucesso de um software depende muito da experiência que o usuário vai ter enquanto navega.

Cientista de Dados

Cientistas de dados são uma nova geração de especialistas analíticos que têm as habilidades técnicas para resolver problemas complexos utilizando informações disponíveis em Big Data. É um cargo de alta demanda no mercado. Eles são parte estatísticos, parte cientistas da computação e parte analistas de tendências. A profissão não estava no radar há uma década, mas sua popularidade repentina reflete como as empresas agora pensam sobre Big Data. A análise de Big Data permite, inclusive, predições de comportamentos futuros. Essa massa imensa de informações não estruturadas já não pode mais ser ignorada e esquecida. É uma mina de ouro virtual que ajuda a aumentar receitas, desde que haja alguém que escave e desenterre insights empresariais que ninguém havia pensado em procurar. Entra em cena, então, o cientista de dados, ocupando posição central em empresas que são referência no setor de tecnologia, como a Softplan, uma das maiores do país no desenvolvimento de softwares.

Mentores

Para orientar empresas ou empresários, os mentores estão cada vez mais em evidência. Profissionais que executam essa função ajudam outros a enfrentarem desafios. O mentor normalmente é alguém com mais experiência em uma área específica, que já passou por problemas parecidos ao do mentorado e que irá oferecer uma visão externa, orientando-o para um novo caminho, com o objetivo de otimizar resultados. No MIDITEC, incubadora referência nacional, o trabalho de mentoria é fundamental no desenvolvimento dos novos empreendedores.

Programador mobile

A necessidade por soluções tecnológicas baseadas na mobilidade fez surgir um novo tipo de profissional dentro da Tecnologia da Informação. Além dos já especializados programadores, há um novo nicho de atuação para quem gosta de desenvolver sistemas: o programador mobile. Esse tipo de profissional dedica-se exclusivamente à produção de aplicativos e quaisquer ferramentas que precisam funcionar nas telas de celulares e tablets — o que, em alguns casos, significa produzir um recurso do zero.  Os chamados de desenvolvedores Front e Back End são responsáveis por desenvolver tudo que vemos e não vemos em aplicações mobile. A Cheesecake Labs, que desenvolve aplicativos personalizados, possui diversos desenvolvedores que programam mais de 20 produtos todos os dias.

Engenheiro de software

Os engenheiros de software são responsáveis por analisar, projetar, desenvolver e prestar suporte a soluções de tecnologia de média/alta complexidade em projetos de software e hardware. De acordo com o diretor de tecnologia da Dígitro Tecnologia, empresa que está desde 1977 no mercado desenvolvendo soluções de inteligência e comunicação, Rafael Pina, dos 17 engenheiros existentes hoje na empresa, 16 são de software. Atualmente a Dígitro Tecnologia conta com soluções Software as a Service (SaaS), além de seu portfólio on premise. São utilizadas por organizações brasileiras e internacionais. Com sede em Florianópolis, a empresa é pioneira no mercado de tecnologia e inovação, além de ser 100% brasileira. Tem atuação em vários países da América Latina, e conta com uma subsidiária no Peru.

 

Read also :