Oracle contratará 2 mil funcionários para expandir negócios em nuvem a mais países

Negócios

A Oracle planeja contratar cerca de 2 mil funcionários adicionais como parte de um plano agressivo de implantar seus serviços de computação em nuvem em mais locais do mundo, disse seu chefe de nuvem à Reuters na segunda-feira.

Buscando competir melhor com os rivais maiores Amazon Web Services e Microsoft, a mudança também ajudará na transição do software de negócios da Oracle para finanças, vendas e outras funções para novos sistemas ao longo do próximo ano.

Empregos serão adicionados aos centros de desenvolvimento de software da Oracle em Seattle, na área da baía de San Francisco e na Índia, bem como perto de novos data centers, disse Don Johnson, vice-presidente executivo da unidade Oracle Cloud Infrastructure.

Até o final do próximo ano, a Oracle planeja abrir mais 20 “regiões” na nuvem – locais onde a Oracle opera data centers para que os clientes possam armazenar dados com segurança para recuperação de desastres ou para cumprir as leis locais de armazenamento de dados.

Atualmente, a empresa possui 16 regiões, uma dúzia das quais foi inaugurada no ano passado. Novos locais serão construídos no Chile, Japão, África do Sul e Emirados Árabes Unidos, além de outros lugares da Ásia e Europa.

Em 31 de maio, a Oracle tinha cerca de 136.000 funcionários em período integral, dos quais 18.000 estavam empregados em serviços de nuvem e operações de suporte a licenças.

O mercado bastante competitivo, em que as grandes empresas pagam a um provedor de nuvem para lidar com suas tarefas de computação e armazenamento, em vez de construir seus próprios data centers, é estimado pelo Gartner em US $ 38,9 bilhões em 2019.

A Amazon é o maior participante, mas a Microsoft apostou sua estratégia de recuperação nos serviços. O Google, da Alphabet, e a International Business Machines (IBM) também estão investindo recursos na disputa.

Desde que Johnson ingressou na companhia em 2015, após sete anos na unidade de nuvem da Amazon, a Oracle construiu sua segunda geração de infraestrutura em nuvem após uma primeira tentativa difícil.

Desta vez, a Oracle executará seus aplicativos de software em nuvem no mesmo sistema em nuvem que oferece a clientes externos – uma estratégia há muito empregada por empresas como Amazon e Google.

“Estamos dirigindo isso de maneira muito, muito agressiva”, disse Johnson. “Estamos convertendo muito rapidamente o que é uma pegada complexa em uma pegada muito simples: tudo funciona em toda parte em nossa infraestrutura de nuvem da segunda geração.”

A Oracle também está buscando um pedaço do Joint Enterprise Defense Infrastructure Cloud, ou JEDI, um contrato de 10 bilhões de dólares com o Departamento de Defesa dos EUA. A concessão desse contrato foi suspensa para revisão depois que a Oracle manifestou preocupação com o processo.

Johnson disse que as adições de emprego não estavam relacionadas ao projeto JEDI, mas acrescentou que a Oracle continua a construir data centers para clientes potenciais do governo.

Read also :