Nordeste Conectado em projeto estatal

ProjetosSetor Público

A estrutura beneficia a população ao oferecer internet por meio de fibra ótica.

Expandir a estrutura de telecomunicações e levar internet de banda larga e inclusão digital às pessoas, por meio de fibra ótica, é o que prevê o programa Nordeste Conectado.

A meta é conectar cidades polo da região até o fim de 2022, aproveitando a rede e linhas de transmissão da Companhia Hidrelétrica do São Francisco (Chesf).

Essa rede da Chesf está sendo operada pela Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP), uma organização social ligada ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações.

“Então, essa fibra óptica já passava pelas redes da Chesf, mas não havia tráfego de dados, não havia comunicação e com recursos do Ministério da Educação e do Ministério das Comunicações, nós adquirimos os equipamentos e conectamos essas fibras”, explicou o coordenador geral de Projetos para a Promoção do Acesso à Banda Larga, do Ministério das Comunicações, José Afonso Cosmo Júnior.

Essa fibra leva a internet a uma velocidade 100 Gigabytes por segundo” o que acaba por ser “uma capacidade muito alta de comunicação de dados”, explicou ainda o mesmo responsável.

O programa já conectou cinco cidades polo: Campina Grande (PB), Caruaru (PE), Paulo Afonso (BA), Mossoró (RN) e Quixadá (CE).

Até o fim deste ano, mais quatro cidades deverão estar conectadas por meio do Nordeste Conectado.

De acordo com o Ministério das Comunicações, até o fim de 2022, a expectativa é de que 16 cidades-polo sejam diretamente conectadas, com a implantação de redes metropolitanas.

Com o estabelecimento de parcerias, será possível atingir, no total, 77 localidades em toda a região, em quatro anos.

Segundo o coordenador, o programa Nordeste Conectado “já empregou R$ 35 milhões”.