A propriedade intelectual nas startups

NegóciosStartup

O estudo apresenta a predominância no uso de marcas pelas startups e um grande potencial para o uso complementar de outras modalidades.

Foi lançado durante o evento StartupSummit, o estudo “Panorama da Utilização do Sistema de Propriedade Industrial por Startups” que pretende dar a perceber de que forma as startups têm se utilizado das diversas formas de proteção de seus ativos intangíveis como propriedade intelectual.

O estudo apresenta a predominância no uso de marcas pelas startups e um grande potencial para o uso complementar de outras modalidades de propriedade intelectual igualmente importantes.

Entre estas, contam-se patentes, registro de softwares (direitos autorais), desenho industrial, modelo de utilidade, programas de computador e topografia de circuitos integrados.

Esta ação é uma das entregas da Estratégia Nacional de Propriedade Intelectual e foi coordenada pelo Núcleo de Inteligência em Propriedade Industrial (NIPI) – uma parceria entre INPI, Secretaria Especial de Produtividade e Competitividade (SEPEC/ME) e Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), além de contar com o apoio do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE).

Este estudo é a atualização de  versão anterior de 2019, em função da realidade dinâmica das startups, além de servir como comparativo para avaliar os impactos mais recentes das políticas, programas e projetos voltados ao apoio para o desenvolvimento do ecossistema de startups nacional.

Read also :