Panasonic inaugura cidade sustentável

HOME

A Panasonic inaugurou oficialmente uma “cidade sustentável”, projetada para ser um laboratório de tecnologias “amigas do ambiente”. A Fujisawa Sustainable Smart Town fica localizada a sudoeste de Tóquio e ocupa uma área de 19 hectares na costa de Kanagawa, a antiga localização de uma unidade onde a fabricante japonesa produzia televisões e geladeiras. No local

A Panasonic inaugurou oficialmente uma “cidade sustentável”, projetada para ser um laboratório de tecnologias “amigas do ambiente”. A Fujisawa Sustainable Smart Town fica localizada a sudoeste de Tóquio e ocupa uma área de 19 hectares na costa de Kanagawa, a antiga localização de uma unidade onde a fabricante japonesa produzia televisões e geladeiras.

Fujisawa Sustainable Smart Town

No local encontram-se agora fileiras de casas cobertas por painéis solares, uma praça pública equipada com um relógio de sol gigantesco e um centro comunitário com uma simpática livraria.

A população atual da cidade é composta por pouco mais de 100 famílias e é esperado que venha a acolher cerca de 3.000 pessoas quando estiver concluída, por volta de 2018, de acordo com a informação oficial da Panasonic que lidera o consórcio de 18 empresas que estão equipando a cidade em vários setores como a tecnologia, bancos e serviços públicos.

As metas desse projeto são reduzir as emissões de carbono em 70%, comparando com os níveis de 1990, reduzir o uso de água em 30%, comparando com 2006, e que 30% da energia venha de fontes renováveis. O objetivo final é chegar a zero de emissões de carbono vindas das casas. Os primeiros residentes começaram a se mudar no início deste ano e a ideia da Panasonic é ir recolhendo dados para direcionar suas futuras pesquisas.

As casas estão equipadas com equipamentos da marca, incluindo painéis de controlo e gestão da energia, dispositivos de segurança e iluminação e ainda tomadas elétricas especiais ligadas a uma fonte que pode ser usada mesmo durante um blecaute. Aliás, a cidade está preparada para se alimentar de sua própria energia durante três dias, em caso de desastres como o sismo de 2011.

Existem ainda nas habitações, células de combustível, baterias de lítio para armazenar a energia gerada pelos painéis solares e tablets equipados com software para acompanhar a produção de energia solar e as vendas para o operador de rede. Vários equipamentos, como os de ar condicionado, podem ser controlados por aplicativos para smartphone.

A iluminação é toda em LED, quer nas casas, quer no exterior, estando esta preparada para aumentar ou diminuir sua intensidade conforme as necessidades, através de detectores de movimento.

Os habitantes podem conectar-se a um portal comunitário, através da TV Panasonic, onde podem pesquisar treinamentos no centro comunitário, monitorar a produção de energia da cidade, procurar informação sobre a disponibilidade de veículos eléctricos comunitários (carros e bicicletas) e observar as imagens das câmaras de segurança da localidade. Podem ainda usar um outro aplicativo móvel para trocar informação sobre eventos sociais ou dicas sobre segurança e prevenção de crime.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor