Há cada vez mais empresas tentando patentear #hashtags

e-MarketingLegalRedes SociaisRegulação

À medida que aumenta o ruído nas redes sociais, mais marcas tentam fazer-se ouvir com campanhas inovadoras agregadas em torno de hashtags (#). Mas a tentação de monopolizar estas expressões está crescendo, e é por isso que cada vez mais empresas pedem patentes sobre as suas “criações.” Brasil aparece em segundo na lista de pedidos.

Exemplos de hashtags que foram registradas com sucesso são a #sayitwithpepsi, que a PepsiCo obteve na Europa no ano passado, ou a #everydaymadewell, que a cadeia de moda Madewell registrou nos Estados Unidos. O objetivo é simples: impedir que a concorrência se aproprie de hashtags bem sucedidas que usam aquilo que as marcas consideram ser a sua propriedade intelectual.

A tendência começou há cerca de seis anos, mas deu um salto tremendo nos últimos dois. Só em 2015 foram entregues 1398 pedidos, de acordo com uma pesquisa da Thomson Reuters CompuMark. Os Estados Unidos lideraram, com 1042 pedidos, e o Brasil aparece em segundo com 321 hashtags “patenteáveis.” Da França chegaram 159 e do Reino Unido e Itália 115 cada.

Estes dados revelam uma explosão no número de pedidos no ano passado, depois de 103 hashtags terem sido efetivamente registradas em 2014. Por comparação, tinha havido apenas sete pedidos em 2010.

“Antes usadas apenas por pessoas com conhecimentos avançados queriam pôr o seu tuíte ou post a circular, a expressão [hashtag] foi apanhada pelos millennials, que a introduziram nas conversas do quotidiano”, explica a Thomson Reuters CompuMark, frisando que “para onde vão os millennials, também vão as marcas.”

Curiosamente, a ideia das hashtags é que o máximo número de pessoas as utilizem, principalmente na rede de microblogging Twitter – mas não só. Estas são as melhores formas de descobrir novas contas para seguir no Instagram, por exemplo, o Facebook usa este método para agregar publicações sobre os temas mais quentes. Os marketeers querem que os usuários embarquem na hashtag, mas ao mesmo tempo pretendem que seja considerada uma extensão da sua marca. Ontem, por exemplo, uma das hashtags em trending mundial no Twitter era a #Miitomo, o primeiro jogo da Nintendo para smartphone que vai chegar aos Estados Unidos.

Aaron P. Rubin, sócio da firma de advogados Morrison & Foerster, explica que o conceito é semelhante à proteção, por exemplo, da assinatura corporativa. “Vemos frequentemente as empresas a registrarem as suas assinaturas ou slogans, para que possam proteger essas marcas e evitar que os concorrentes as usem”, diz ao Wall Street Journal. “O registro de uma hashtag baseia-se no mesmo conceito.”


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor