Vamos evitar falar de aborto no Facebook! Meta toma atitude drástica sobre o assunto

Debates sobre aborto sempre geraram interações polêmicas onde quer que fosse, e nas redes sociais não é diferente. Na verdade, há quem diga que as discussões são bem piores. Diante da complexidade do tema, plataformas como o Facebook decidiram adotar medidas drásticas. 

publicidade
Facebook derruba perfis que defendiam o desmatamento da Amazônia
(Imagem: Pixabay)

Tudo começou após um post indicativo a respeito de pílulas abortivas. A informação foi divulgada pelo site Motherboard, que compartilhou o relato de uma usuária do Facebook. Durante um debate sobre aborto na rede social, ela se dispôs a enviar o medicamento para uma amiga virtual. 

Entretanto, logo que fez o comentário foi notificada de que a postagem violava as regras dos Padrões de Comunidade da plataforma. A medida adotada pelo Facebook foi a de restringir a conta da mulher após insistência da mesma. 

publicidade

As medidas antiabortivas tiveram início nos Estados Unidos da América (EUA), após decisão da Suprema Corte que vetou o direito constitucional ao aborto no país na última segunda-feira (24). Foi então que os posts com menções ao tema se espalharam. 

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Conforme apurado pela empresa de inteligência de mídia, a Zignal Labs, mais de 250  mil menções ao aborto já foram identificadas nas principais redes sociais subsidiárias do Meta, o Facebook e o Instagram. De modo geral, os posts instruíam mulheres na aquisição ilegal de pílulas abortivas através do correio. 

Entenda as políticas de bloqueio do Facebook

Tanto no Facebook e até no Instagram, sempre que um usuário tenta fazer algum post relacionado a determinado tema, se a pauta for polêmica, ele é notificado pela plataforma. De acordo com informações dispostas na Central de Ajuda do Facebook, não são permitidos:

publicidade
  1. Nudez ou outro conteúdo de sugestão sexual;
  2. Discurso de ódio, ameaças reais ou ataques diretos a um indivíduo, ou grupo;
  3. Conteúdo que possua autoflagelação ou excesso de violência;
  4. Perfis falsos ou de impostores;
  5. Spam.

A política da rede social é ainda mais restrita se tratando da comercialização de itens na plataforma. Fica proibida a venda de produtos como tabaco, maconha e outras drogas recreativas.

O que o Meta diz sobre as restrições

Em um tweet, o porta-voz do Meta, Andy Stone, afirmou que houve uma mudança nas políticas de moderação de conteúdo a respeito do aborto. De agora em diante, não são permitidos conteúdos que tentem comprar, vender, trocar, solicitar, doar ou presentear terceiros com produtos farmacêuticos.

Em contrapartida, o Facebook permite conteúdo que “discuta a acessibilidade de medicamentos prescritos”.

É importante mencionar que, embora as restrições tenham partido da Justiça norte-americana, no Brasil, a situação não parece ser muito diferente, pois rumores indicam que, em território brasileiro a prática é semelhante.

O que você achou? Siga @bitmagazineoficial no Instagram para ver mais e deixar seu comentário clicando aqui

publicidade
Veja mais ›
Fechar