Mercado de automação segue em forte crescimento

EmpresasFinançasNegócios

Além das residências, empresas estão se valendo da racionalização de processos principalmente para reduzir custos, com melhorias em logística e gestão. A projeção de crescimento da automação no Brasil para o período 2014 a 2016 é de 12%, segundo pesquisa da InfoComm.

As projeções estão apoiadas na movimentação cada vez mais forte em empresas, casas e apartamentos modernos, que recebem equipamentos de segurança, sistemas integrados de áudio e vídeo, ou mesmo opções que prezam simplesmente pelo conforto.

Segundo a consultoria IDC, a Internet das Coisas (IoT, na sigla em inglês), deve movimentar US$ 4,1 bilhões no Brasil neste ano. O conceito demanda forte automação para interligar, conectar e interagir no mundo digital. No mercado corporativo, as empresas migrarão aplicações tradicionais, como telemetria e monitoramento, para o paradigma de IoT.

Fornecedores de equipamentos e desenvolvedores de plataformas, software e soluções industriais também intensificarão o lançamento de soluções de IoT customizadas e em escala para as corporações.  No segmento doméstico, a estimativa para este ano é que os dispositivos domésticos conectados à internet movimentem cerca de US$ 37 milhões.

A Associação Brasileira de Automação Residencial (Aureside) mostra em levantamento que cerca de 2 milhões de residências brasileiras já teriam potencial para utilizar sistemas automatizados, mas o número que de fato o faz não chega a 20% desse total.

No País, o número de empresas que fornecem ou fabricam soluções, assim como de serviços de automação residencial, triplicou em menos de cinco anos. Embora se trate de um crescimento considerável, ainda há muito potencial a ser explorado.

De acordo com o instituto de pesquisas Gartner, cerca de 1,6 bilhão de coisas conectadas serão usadas em Cidades Inteligentes em 2016, um aumento de 39% em comparação com 2015. Bettina Tratz-Ryan, vice-presidente de Pesquisas do Gartner, prédios comerciais inteligentes serão os principais usuários de dispositivos de IoT até 2017, seguidos pelos residenciais, que terão mais de 1 bilhão de dispositivos conectados em 2018.

Residências inteligentes representarão 21% do total de IoT em uso nas Cidades Inteligentes em 2016, e registrarão o maior aumento nos próximos cinco anos.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor