A China quer dominar o espaço

Após lançar o primeiro módulo de sua estação espacial Tiangong, ou “Palácio Celestial”, em órbita no ano passado, a China finalmente parece ter entrado na corrida espacial. Até o final deste ano, pretendem agregar mais módulos, como o laboratório científico Mengtian. 

publicidade
Nave espacial tripulada Shenzhou-14 (Imagem: Reprodução / Xinhua)

Um grande passo para a China na corrida espacial

Além do Tiangong, que será auto-suficiente em energia, propulsão, suporte de vida e alojamento, o país pretende também lançar o telescópio espacial Xuntian no próximo ano. A nave se aproximará da estação espacial onde ficará atracada para manutenção e reabastecimento.

Depois da União Soviética (agora Rússia) e dos Estados Unidos, a China é o terceiro país na história a enviar humanos ao espaço e estabelecer uma estação espacial, Tiangong, um grande projeto para o país que pode até substituir a Estação Espacial Internacional (ISS), sendo supostamente desativada em 2031.

publicidade

Substituir só em modo de falar, afinal, a relação entre os EUA e a China impede que exista troca de dados, ou colaboração, entre a agência espacial norte-americana, NASA, e a chinesa, CNSA

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Mas os objetivos da China não se limitam a isso. Ela planeja coletar amostras de asteroides próximos à Terra em alguns anos e pousar suas primeiras pessoas na Lua até 2030, além de enviar sondas a Marte e Júpiter para coletar materiais.

E a corrida espacial se acirra

Enquanto isso, vários outros países estão tentando alcançar a Lua ao passo que a China estende sua posição no espaço.

publicidade

Até a NASA quer voltar ao satélite natural a partir de 2025, levando astronautas dos Estados Unidos e de outras nações, e já lançou seu novo enorme foguete SLS no Centro Espacial Kennedy. Japão, Coreia do Sul, Rússia, Índia e Emirados Árabes Unidos também estão trabalhando em missões lunares.

A Índia já empreendeu sua segunda grande missão lunar e, assim como a China, pretende ter sua própria estação espacial operacional até 2030. Já a Agência Espacial Europeia, que está trabalhando em missões lunares ao lado da NASA, está construindo uma rede de satélites lunares para facilitar a comunicação entre à Terra e os astronautas.

Quem decide quais são as regras do espaço?

No momento, nenhuma nação pode de fato reivindicar qualquer território no espaço. Isso se deve a um acordo internacional fechado em 1967, o Tratado do Espaço Exterior das Nações Unidas.

Já o Acordo da Lua das Nações Unidas, feito em 1979, afirma que o espaço não deve ser utilizado para fins comerciais, mas os Estados Unidos, a China e a Rússia se recusaram a assiná-lo, deixando suas intenções bem claras.

publicidade

Anos depois, os Estados Unidos estão defendendo os Acordos de Artemis, que estabelecem como os estados podem trabalhar juntos para utilizar os recursos da Lua. A Rússia e a China se recusaram a aderir aos acordos, alegando que os EUA não têm poder para estabelecer regulamentos espaciais.

A China no espaço

A China lançou seu primeiro satélite em órbita em 1970, durante a Revolução Cultural. Na época, apenas os Estados Unidos, a União Soviética, França e o Japão se projetaram ao espaço.

Nos últimos dez anos, o país disparou cerca de 200 foguetes, coletou e devolveu amostras de rochas e até fixou uma bandeira chinesa na superfície da lua através da missão não tripulada Chang’e 5. A bandeira em questão era intencionalmente maior do que as bandeiras americanas anteriores.

Com o lançamento do Shenzhou 14, a China já enviou 14 astronautas ao espaço, em comparação com os 340 dos Estados Unidos e mais de 130 da União Soviética (e agora a Rússia).

Mesmo assim, o país parece estar se estabelecendo a passos largos como uma potência de exploração espacial. E visto que a estação esteja pronta, a China poderá ultrapassar Rússia e os EUA, que mesmo “trabalhando juntos” parecem não estar em bons termos.

O que você achou? Siga @bitmagazineoficial no Instagram para ver mais e deixar seu comentário clicando aqui

Veja mais ›
Fechar