Metaverso: será mais fácil e prático usar a realidade virtual com projeto jamais visto

A empresa Meta, proprietária do Facebook, está empenhada em um novo projeto que inclui o lançamento de quatro óculos VR. Os dispositivos se popularizaram pela funcionalidade que permite o usuário ter uma experiência de realidade virtual (VR) e realidade aumentada (AR). 

publicidade
Novo projeto da Meta pode incluir óculos VR;
 (Imagem: Pixabay)

Embora os modelos antigos de óculos VR já sejam famosos, especialmente pelo crescente uso em ambientes no metaverso, o projeto do Meta consiste em modelos reestruturados, que devem ser lançados até 2024. A informação foi originalmente publicada no portal The Information. Conforme apurado, a investida visa a expansão de possibilidades no metaverso. 

Com os novos componentes no óculos VR, o CEO da Meta, Mark Zuckerberg, pretende estimular o uso dos dispositivos entre um número maior de pessoas. A estimativa é que sejam vendidos no mercado por, aproximadamente, US$ 799, o equivalente a R$ 4 mil na conversão direta. 

publicidade

Projeto Cambria é quase um óculos VR (realidade virtual)

O Meta também trabalha no projeto Cambria, que consiste em um headset de realidade mista, basicamente uma mistura entre as tecnologias VR e AR.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

A princípio, este gadget tinha o lançamento previsto para 2021, mas devido à queda nas cadeias de produção em virtude dos impactos da pandemia, os planos foram adiados. Agora, uma nova versão do Cambria deve chegar ao mercado em outubro de 2024.

Segundo informações de funcionários do Meta, o projeto Cambria, internamente denominado Arcaia, pode ser caracterizado como uma espécie de “laptop para o rosto” ou “Chromebook para o rosto”.

publicidade

Tais denominações indicam que o uso do aparelho não é exclusivo para gamers, como também para tarefas relacionadas à produtividade e trabalho. 

Um exemplo das várias possibilidades seria a criação de um ambiente virtual onde o usuário contaria com várias telas de computador, conseguindo navegar entre elas, da mesma maneira como acontece no mundo real.

Todas essas investidas podem ser justificadas pela necessidade de aprovação que o Meta precisa defendendo que o gadget é muito mais do que um simples headset para jogos, sendo também uma relevante ferramenta de trabalho. 

Desta forma, quanto maior for o público de consumidores do produto, maiores serão as chances de sucesso do equipamento.

publicidade

Até mesmo porque, o Cambria, seria composto por um hardware ainda mais avançado em comparação ao Meta Quest. A diferença seria na resolução para leitura de pequenos textos ou códigos no ambiente virtual, junto com uma bateria de autonomia ainda maior. 

O que você achou? Siga @bitmagazineoficial no Instagram para ver mais e deixar seu comentário clicando aqui

Veja mais ›
Fechar