Telegram declara guerra contra fake news com função inovadora

O Telegram anunciou o lançamento de novos recursos que terão foco no combate de fake news disseminadas através da plataforma. As funções serão implementadas mediante o apoio do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que firmou um acordo com a empresa. 

publicidade
Telegram investe em função que bloqueia fake news
Telegram investe em função que bloqueia fake news. (Imagem: Flickr)

O tratado compõe o Programa Permanente de Enfrentamento à Desinformação no Âmbito da Justiça Eleitoral. Trata-se de um memorando elaborado pelo TSE para o pleito eleitoral de 2022. O texto prevê uma série de novidades no aplicativo, inclusive um canal verificado da Corte e um chatbot exclusivo para o esclarecimento de dúvidas. 

O TSE será o primeiro órgão eleitoral de todo o mundo a firmar um tratado do gênero com o Telegram. O acordo foi oficialmente anunciado pelo presidente do tribunal, o ministro Edson Fachin, logo após ser assinado por ambas as partes, encerrando qualquer divergência entre os envolvidos. 

publicidade

É válido lembrar que no primeiro trimestre de 2022, o TSE solicitou a suspensão do Telegram no Brasil a pedido da Polícia Federal (PF). Na época, a acusação foi de que a plataforma não cumpre as decisões judiciais envolvendo a disseminação de fake news. 

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Novas funções do Telegram

O acordo de cooperação mútua entre o Telegram e a corte eleitoral prevê a execução de algumas medidas no aplicativo para combater as fake news. A primeira investida é a adição de um canal oficial do TSE no aplicativo, assegurando a respectiva verificação e divulgação da existência para os usuários brasileiros. 

Como resposta, o tribunal é obrigado a fazer, pelo menos, dez publicações no ato da verificação – além de se comprometer a fazer postagens regulares de notícias envolvendo as eleições de 2022. O Telegram também deverá conceder o acesso API para criação do bot visando fomentar interações avançadas entre os eleitores e o TSE.

publicidade

As alterações de interação não foram discriminadas no acordo, porém um dos usos apresentados como exemplo foi o envio de comunicados personalizados de acordo com a região do usuário. 

Tendo em mente que a Corte também possui um chatbot no WhatsApp, é possível que algumas funções sejam reproduzidas no Telegram, como a presença de uma assistente virtual para esclarecer dúvidas dos eleitores. 

Não há uma data de lançamento prevista no contrato de colaboração. No entanto, como ele foi pensado para as Eleições de 2022 – que acontecem em 2 de outubro, no primeiro turno, e em 30 de outubro, no segundo turno, onde houver – é provável que as medidas sejam aplicadas o mais rápido possível.

Isso acontece sobretudo porque é permitido impulsionar campanhas na Internet já antes do período de propaganda eleitoral, que começa em 16 de agosto. Vale frisar que o acordo firmado entre TSE e Telegram é válido até 31 de dezembro de 2022.

O que você achou? Siga @bitmagazineoficial no Instagram para ver mais e deixar seu comentário clicando aqui

publicidade
Veja mais ›
Fechar