TikTok e YouTube são as redes sociais que mais rastreiam os usuários

Um estudo publicado pela empresa de marketing URL Genius apontou que o TikTok e o YouTube são os aplicativos de mídia social que mais rastreiam dados pessoais dos usuários. Ao que tudo indica, as redes sociais se espelham no BBB para rastrear seus usuários. 

publicidade

Leia também: Tinder lança recurso de “encontros às cegas”; entenda

A empresa de marketing móvel descobriu que o YouTube armazena principalmente informações pessoais para seus próprios fins – a exemplo do rastreamento do histórico de pesquisa on-line ou até mesmo a localização do usuário – para veicular anúncios relevantes. 

TikTok e YouTube são as redes sociais que mais rastreiam os usuários
Imagem: Unsplash/Kon Karampelas
publicidade

Já o TikTok, de propriedade da gigante chinesa de tecnologia ByteDance, permite que rastreadores de terceiros coletem seus dados – e a partir daí, é difícil dizer o que acontece com eles.

Para realizar o estudo, a URL Genius usou o recurso Record App Activity, do iOS da Apple, para contar quantos domínios diferentes rastreiam a atividade de um usuário em 10 dispositivos de mídia social diferentes: YouTube, TikTok, Twitter, Telegram, LinkedIn, Instagram, Facebook, Snapchat, Messenger e WhatsApp.

 “Atualmente, os consumidores não conseguem ver quais dados são compartilhados com redes de terceiros ou como seus dados serão usados”, disseram os autores do estudo à reportagem da CNBC, que não conseguiu declarações do YouTube ou do TikTok.

TikTok e YouTube são as redes sociais que mais rastreiam os usuários
Imagem: Shubham Dhage/Unsplash
publicidade

Leia também: YouTube explica por que agora limita visualizações de vídeos populares

O que o estudo revelou?

O YouTube e o TikTok superaram os outros aplicativos com 14 contatos de rede cada — mais que o dobro da média de seis contatos de rede por aplicativo do estudo. “Esses números são provavelmente maiores para usuários que estão logados em contas nesses aplicativos”, diz o estudo.

Dez dos rastreadores do YouTube eram contatos de rede primários, o que significa que a plataforma estava rastreando a atividade do usuário para seus próprios fins. 

Quatro dos contatos eram de domínios de terceiros, o que significa que a plataforma estava permitindo que um punhado de usuários misteriosos coletasse informações e rastreasse a atividade do usuário.

publicidade

Com o TikTok, os resultados foram ainda mais misteriosos: 13 dos 14 contatos de rede no popular aplicativo de mídia social eram de terceiros. O rastreamento acontecia mesmo quando os usuários não permitiam a coleta de informações nas configurações de cada aplicativo, de acordo com o estudo.

Leia também: TikTok impõe novos limites para proteger os mais jovens

Quais são os riscos dos rastreadores das redes sociais?

Os rastreadores têm acesso às postagens com as quais o usuário interage e quanto tempo é gasto em cada uma delas – além de saber a localização física e qualquer outra informação pessoal que é compartilhada com o aplicativo.

Como o estudo observou, rastreadores de terceiros podem mapear a atividade de usuários em outros sites, mesmo depois que a pessoa saia do aplicativo.

Apesar de outras redes sociais terem menos rastreadores, isso não significa que elas trazem mais segurança para a privacidade dos usuários.

O Facebook, por exemplo, possui apenas um rastreador, mas já passou por diversos escândalos envolvendo dados pessoais de seus usuários.

Leia mais: Passo a passo de como editar vídeos no TikTok

O que você achou? Siga @bitmagazineoficial no Instagram para ver mais e deixar seu comentário clicando aqui

Veja mais ›
Fechar