Versão mais cruel de malware pode apagar a vida de uma pessoa

O novo tipo de “vírus” é perigoso para os usuários, mas especialmente no caso de funcionários de empresas que carregam consigo dados importantes. A nova raça mais cruel de malware, no pior dos casos, pode até apagar a vida de uma pessoa.

publicidade
Hacker mascarado apontando para frente (Imagem: Stillness Inmotion/Unsplash)
(Imagem: Stillness Inmotion/Unsplash)

Nova modalidade de malware destrói informações sobre pessoas e empresas

A empresa de segurança de dados Fortinet identificou um crescente número de situações envolvendo um novo malware. Neste caso, o objetivo dos criminosos não é roubar seus dados ou sequestrar informações para extorsão — como no caso dos ransomware —, a única motivação é destruir o alvo, eliminando todas as suas informações importantes armazenadas em seus dispositivos.

O Fortinet identificou o aumento desse tipo de malware de “apagar” coincidentemente relacionado com o início dos conflitos entre Rússia e Ucrânia, apesar de não encontrar nenhum indício de que os agentes hackers tratam-se de cidadãos do país de Putin.

publicidade

“Embora estes não tenham sido oficialmente atribuídos aos ataques patrocinados pelo Estado russo, seus objetivos estão alinhados com os militares russos. É amplamente teorizado que esses ataques cibernéticos estão sendo lançados intencionalmente em conjunto com a invasão.”

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Wiper, o malware de “apagar”

Os malwares responsáveis por apagar dados são chamados wipers e definidos como um programa malicioso que busca apagar ou destruir todos os dados mantidos em um disco rígido do computador. 

Segundo o Fortinet, já em 2012, foi usado o chamado Shamoon para atacar as companhias petrolíferas Aramco e RasGas no Oriente Médio.

Na ocasião, a ameaça foi ligada a um grupo hacker conhecido como Cutting Sword Of Justice, o ataque derrubou 30.000 computadores, com informações vitais das empresas.

publicidade

Suspeitas ligadas a cyberwar 

Conforme o relatório dos analistas de segurança, diversos “modelos” vem sendo usados em solo ucraniano no ano de 2022, por exemplo: WhisperKill, WhisperGate, HermeticWiper, IsaacWiper, DoupleZero, AcidRain e CaddyWiper para atacar instituições e empresas do país.

“Sete diferentes ataques de malware para ‘limpeza’ foram descobertos visando a infraestrutura ou empresas ucranianas — tudo alinhado com o interesse da Rússia na guerra”, “geralmente, as operações de ‘limpadores’ nesta categoria atacam alvos cuja destruição é do interesse dos militares opositores”, complementa o Fortinet.

Apesar de seu uso ser mais “lucrativo” em questões de conflito, onde o objetivo é destruir a infraestrutura do inimigo, isso não impede que pessoas mal intencionadas buscando vingança possam utilizar as ferramentas para prejudicar e criar incríveis transtornos. 

Por isso, o melhor é sempre manter seus dados atualizados em backups, físicos e não ligados ao computador principal, ou em nuvem.

O que você achou? Siga @bitmagazineoficial no Instagram para ver mais e deixar seu comentário clicando aqui

publicidade
Veja mais ›
Fechar