Bitcoin tem pior começo de ano desde inverno das criptomoedas

 

publicidade
Bitcoin tem pior começo de ano desde inverno das criptomoedas
Imagem: Pexels

O Bitcoin terminou o primeiro mês do ano de um modo difícil, com uma queda superior ao seu pior inicio de ano desde o inicio do “inverno cripto” de 2018. Em 2019 o mercado se recuperou e em 2020 bateu marcas histórias. Mas, desde sua queda, no início de 2021, o mercado não vem reagindo bem e agora 2022 mostra-se numa situação delicada.

Leia também: Hacker rouba mais de US$ 80 milhões em Criptomoedas dos servidores da Binance

publicidade

De acordo com dados compilados pela Bloomberg, a moeda valorizou somente por 11 dias em janeiro. A queda no mês passado somou 18%. 

O ativo estava sendo negociado a US$ 38 mil no dia 1º de fevereiro, depois atingir US$ 69 mil há três meses. Outros criptoativos também estão sofrendo forte desvalorização, como o Ethereum, que caiu cerca de 30% desde o final de dezembro. 

Motivos para a queda do Bitcoin

De acordo com especialistas ouvidos pela Bloomberg, é a fuga dos investidores a ativos de risco por conta da crescente convicção de que o Federal Reserve (FED) norte-americano vai aumentar a sua taxa de juros ainda neste primeiro semestre.

Leia também: Intel anuncia novo Chip exclusivo para mineração de Bitcoin com preço surpreendente

publicidade

“Cripto é uma classe de ativos muito volátil, e espero que todos os participantes desse mercado estejam cientes do potencial de volatilidade. […] É um ambiente muito mais complicado do que era seis meses atrás, 12 meses atrás, 18 meses atrás, onde havia ‘sinal verde’. Agora é ‘cuidado com luz amarela”, disse Troy Gayeski, estrategista-chefe de mercado da FS Investments, ao Bloomberg

Último “inverno cripto” foi lá em 2018

A última queda desse tipo aconteceu em 2018, quando o Bitcoin caiu cerca de 80% e, posteriormente, levou mais de um ano para atingir outra alta.

Os analistas Zach Pandl e Isabella Rosenberg do Goldman Sachs coloca o atual declínio no “limite inferior da faixa” de grandes rebaixamentos, estimando que, desde 2011 houve cinco grandes recuos para a moeda, com um declínio médio de pico a vale de 77%. Em média, as baixas duraram de sete a oito meses, escreveram eles em uma nota. A maior queda acumulada do Bitcoin, uma perda de 93%, aconteceu em 2011, disseram eles.

publicidade

“Embora a venda do Bitcoin tenha sido relativamente baixa nesta semana, como perspectivas do mercado de criptomoedas como um todo tenha uma sorte, com grandes perdas vistas em altcoins populares no passado […] Se todo está olhando para o Bitcoin para o mais alto, é mais provável que o mercado fique desapontado.”, disse Nicholas Cawley, estrategista DailyFX.

Leia também: Prefeitura do Rio anuncia que entrará no mercado de Bitcoin; como isso afeta as pessoas?

O que você achou? Siga @bitmagazineoficial no Instagram para ver mais e deixar seu comentário clicando aqui

Veja mais ›
Fechar