Como o metaverso pode influenciar em uma Terceira Guerra Mundial

Assim como a internet teve origem militar, o metaverso tem capacidade suficiente para influenciar o início de uma Terceira Gerra Mundial. Os elementos necessários já existem, mas os militares estão desenvolvendo suas próprias experiências no metaverso para ter um novo “campo” para suas batalhas.

publicidade
(Imagem: Ux Gun/Unsplash)

O metaverso influencia a indústria bélica e vice e versa.

O medo de uma Terceira Guerra Mundial sempre foi o uso total e indiscriminado de arsenais nucleares imensos que poderiam acabar com a vida no planeta. Essa tecnologia já está ultrapassada. Agora, é mais fácil termos guerras em ambientes virtuais e de sabotagem do que explodir bombas na casa do “vizinho”. 

Explodir os “inimigos” se tornou ineficaz quando a nova possibilidade é implodir um Estado Nação de dentro, tecnologicamente, sem “vazamento” de radiação, uma guerra mais “limpa”.

publicidade

O foco das startups de defesa está agora em criar  estratégias e campos de batalha, onde o combate será “protegido” sem a necessidade de resultar em uma grande carnificina.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Simuladores de voo são ótimos na área civil, para praticar e ganhar horas de voo, mas se um piloto é militar, o único jeito de aprender a voar para combate é em conflitos contra ameaças reais.

Uma mistura de realidade aumentada, inteligência artificial e gráficos de videogame, por exemplo, permitiu que pilotos de caças praticassem combates aéreos contra oponentes virtuais, incluindo aviões de guerra chineses e russos.

publicidade

A Red 6 é a empresa que está desenvolvendo a tecnologia para treinamentos militares de baixo custo e risco. A organização propõe um teste muito mais realista das habilidades de um piloto do que um simulador de voo convencional.

O foco é substituir a presença física dos combatentes no campo, não acabar com a guerra

Os exércitos estão preocupados em reduzir ao máximo a exposição de seus combatentes e o risco de uma morte física, mas não acabar com as guerras entre nações.

Segundo o The Wired, já em 2018, o Exército dos EUA anunciou que pagaria à Microsoft um valor máximo de US$ 22 bilhões para desenvolver uma versão de seu sistema de realidade aumentada, o HoloLens, para os combatentes, ganhando o nome de Sistema Integrado de Aumento Visual (IVAS).

Basicamente, seriam capacetes que dariam a visão do piloto como se estivesse em um avião de combate, controlando-o, mas sem o risco de morrer ao ser abatido por um inimigo.

publicidade

Pensando dessa forma, o que impediria que esses capacetes se transformassem em roupas para controle de máquinas de guerra? Um lugar onde os soldados estariam protegidos em bunkers e a população também, liberando o “campo de batalha” para androides que apenas custam dinheiro, mas deixam de oferecer o sangue humano em conflitos socioeconômicos?

Já estamos vivendo as primeiras guerras híbridas, mas o futuro com o metaverso poderia deixá-las completamente virtuais, reduzindo “danos colaterais”.

O que você achou? Siga @bitmagazineoficial no Instagram para ver mais e deixar seu comentário clicando aqui

Veja mais ›
Fechar