Cyberwar não se limita em conflito específico! Rússia faz ataques à diversos governos

Segundo a Microsoft, a Rússia levou sua cyberwar para em governos, ONGS e empresas espalhadas pelo mundo que vem ajudando a Ucrânia após sua invasão no início deste ano. Os ataques foram identificados pelo MSTIC (Centro de Inteligência de Ameaças da Microsoft).

publicidade
ataques cibernéticos em governos
Países afetados por ataques cibernéticos russos (Imagem: Reprodução / Microsoft)

MSTIC diz que inteligência russa ataca aos governos e entidades mundo afora

O próprio presidente da Microsoft, Brad Smith, confirmou as informações dizendo que 128 alvos, em 42 países diferentes, haviam sido atacados. Os ataques teriam suas origens ligadas a várias inteligências russas, como GRU, SVR e FSB.

O MSTIC acredita que estes ataques fazem parte de um plano de espionagem russo voltado a países que dão algum suporte à Ucrânia. As análises indicam que os ataques buscavam informações sigilosas de agências em países-chave para a OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte), cujo objetivo era conter o avanço do antigo bloco socialista no continente europeu.

publicidade

Estes representam uma série de alvos estratégicos de espionagem que provavelmente estarão envolvidos no apoio direto ou indireto à defesa da Ucrânia, 49% dos quais são agências governamentais“, comentou Brad.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Mesmo assim, 12% dos ataques foram direcionados à ONGs, a maioria delas envolvidas em ações humanitárias relacionadas à guerra. Os outros alvos foram empresas de vários setores, incluindo de tecnologia e econômicos. 

Reforçando ainda mais as suspeitas da MSTIC sobre o envolvimento russo nestes ataques, não só mais da metade dos alvos tinha algum tipo de envolvimento com a OTAN, como os Estados Unidos sozinho recebeu 12% deles, mais do que qualquer outro país. 

Ainda segundo a Microsoft, quase 30% dos ataques cibernéticos russos desde que a guerra começou um quarto foi bem-sucedido, resultando na extração de arquivos.

publicidade

Cyberwar da Rússia contra a Ucrânia

Estes números realmente são assustadores, mas nada comparado à Ucrânia (alvo do direto do conflito). Em apenas dois meses depois da invasão, a Microsoft havia confirmado que a Ucrânia havia sofrido centenas de ataques cibernéticos. 

Os alvos destes ataques eram sistemas críticos da infraestrutura do país, mas não só do governo, instituições, empresas, centros médicos, torres de comunicação e serviços de internet estavam entre vários dos alvos. Alguns dos ataques eram coordenados com operações militares do governo, facilitando a invasão.

E a MSTIC não foi a única a identificar e alertar sobre os ataques russos. A TAG (Grupo de análise de ameaças do Google) também relatou um número de ataques contra organizações ligadas a Ucrânia e OTAN desde o início da invasão russa. O órgão afirma que grupos relacionados à Rússia e China eram os principais suspeitos.

Os aspectos cibernéticos da guerra atual se estendem muito além da Ucrânia e refletem a natureza única do ciberespaço. Os caminhos globais da Internet significam que as atividades cibernéticas apagam grande parte da proteção de longa data fornecida por fronteiras, muros e oceanos“, concluiu Smith.

publicidade

O que você achou? Siga @bitmagazineoficial no Instagram para ver mais e deixar seu comentário clicando aqui

Veja mais ›
Fechar