Facebook se arrepende amargamente de gastar dinheiro com podcasts

O interesse caiu, não no formato dos programas em áudio, mas sim da empresa em investir nessa área. O Facebook se arrepende amargamente de lançar podcasts, segundo alguns executivos que trabalham na empresa, mas o posicionamento oficial do grupo Meta pode ser muito diferente.

publicidade
Facebook muda o nome do feed de notícias após mais de 15 anos
Imagem: Brett Jordan | Unsplash

O foco do Facebook não está no áudio, mas sim na consolidação do metaverso

As motivações podem ser infinitas, mas possivelmente o Facebook reduziu o interesse em lançar novos produtos de áudio devido à queda no valor de suas ações e o conflito “franco” contra o TikTok e outras redes sociais crescentes.

Não que a empresa tenha fechado todas as suas parcerias, mas o potente adversário nos vídeos curtos pode guiar o Facebook para outras frentes de batalha, além do seu foco principal ser agora o desenvolvimento do metaverso.

publicidade

O suposto desinteresse do grupo Meta foi publicado pelo The Indian Express e caso as informações sejam reais, muitos criadores de conteúdo para podcasts ficarão decepcionados, pois a plataforma tem um alcance tremendo, mesmo sem a garantia de que o seu público comprasse a ideia do formato.

Apesar do cenário atual, a empresa fez investimentos no formato anteriormente, quando lançou no ano passado o Live Audio Rooms, com histórias curtas chamadas Soundbites e podcasts para usuários norte-americanos.

Facebook pode ter se antecipado ao ingressar no mercado de podcasts

Isso é mais fácil de acreditar que um possível arrependimento, o Facebook viu plataformas como o Spotify crescerem seu valor, além do o sucesso do Clubhouse (plataforma de transmissão de áudio ao vivo, desconhecida dos brasileiros) e resolveu investir para ter sua marca nesse mercado.

O mercado de podcasts ainda é grande, mas não está na crescente de outrora, então é possível concluir que o Facebook possa estar realocando seus recursos. E o metaverso está aí. A empresa até mudou seu nome para Meta – logo, está claro o foco principal da empresa.

publicidade

Toda empresa precisa investir recursos onde serão maiores os retornos

O Facebook e as outras empresas do grupo Meta estão de olho no futuro, mantendo suas operações costumeiras, até fazendo algumas atualizações, mas com suas mentes voltadas para o “oceano azul” livre de concorrência que o metaverso oferece.

Quanto aos podcasts, eles não vão acabar, já que existem plataformas muito bem sucedidas trabalhando com o formato – Spotify, Deezer, até o YouTube com transmissões ao vivo dos programas, entre outros exemplos. Tentar lutar contra adversários consolidados custa muito dinheiro e o retorno é potencialmente baixo.

O foco de Mark Zuckerberg está em trabalhar todas as possibilidades de lucro para suas empresas futuramente, “ditando as regras” de como o metaverso funcionará, é simples assim.

O que você achou? Siga @bitmagazineoficial no Instagram para ver mais e deixar seu comentário clicando aqui

Veja mais ›
Fechar