Google, Apple e Meta pressionam governantes a abandonar lei transfóbica

Google, Apple e Meta estão entre as mais de 60 empresas que pedem ao governador do Texas, Greg Abbott, que abandone a lei transfóbica recente que define tratamentos médicos de mudança de gênero para menores transgêneros como “abuso infantil”.

publicidade
(Imagem: Pexels)

Neste mês de março, foi publicado em um anúncio de página inteira do Dallas Morning News, o pedido das empresas ao líderes do Texas que “abandonem os esforços para transformar a transfobia em lei”.

“Esta política cria medo para os funcionários e suas famílias, especialmente aqueles com filhos transgêneros, que agora podem ser confrontados com a escolha de fornecer o melhor atendimento médico possível para seus filhos, mas correm o risco de ter essas crianças removidas pelos serviços de proteção infantil por isso”, afirma o anúncio. “Não é apenas errado, tem um impacto em nossos funcionários, nossos clientes, suas famílias e nosso trabalho.”

publicidade
Google, Apple e Meta pressionam Texas a abandonar lei transfóbica
Imagem: Reprodução | Dallas Morning News

 

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Big techs se manifestam contra lei transfóbica

Os autores da carta incluem grandes empresas de tecnologia, como Microsoft, Salesforce, IBM e PayPal, bem como corporações como Johnson & Johnson, Ikea e Gap. 

publicidade

Na mesma época em que as notícias do anúncio foram publicadas, o CEO da Apple, Tim Cook, twittou seus próprios pensamentos sobre esta e outras leis anti-LGBTQ atualmente sendo aprovadas nos EUA:

“Como um membro orgulhoso da comunidade LGBTQ+, estou profundamente preocupado com as leis que estão sendo promulgadas em todo o país, particularmente aquelas focadas em nossos jovens vulneráveis. Estou com eles e as famílias, entes queridos e aliados que os apoiam.”

De acordo com o The Verge, a legislação do Texas em questão é um procedimento emitido por Abbott, em 22 de fevereiro, que pede às agências estaduais que “conduzam uma investigação imediata e completa” de quaisquer relatos de menores submetidos a “procedimentos eletivos para transição de gênero”. 

A diretiva cobra membros do público, bem como profissionais, como professores, enfermeiros e médicos, para que denunciem tais casos – e ameaça os indivíduos que não o fizerem com “penas criminais”.

publicidade

A instrução, considerada ilegal por muitos especialistas, faz parte de uma onda de legislação anti-LGBTQ que está sendo promovida por legisladores conservadores nos EUA antes das eleições de meio de mandato. 

Don’t Say Gay foi aprovado na Flórida

Na Flórida, os legisladores aprovaram no dia 8 de março uma lei que proíbe discussões sobre orientação sexual ou identidade de gênero nas escolas, apelidada de projeto de lei Don’t Say Gay pelos oponentes.

Google, Apple e Meta pressionam Texas a abandonar lei transfóbica
Lei Transfóbica (Imagem: Divya Agrawal | Unsplash)

“Isso vai colocar em risco a segurança de nossos estudantes e adolescentes LGBTQ”, disse a senadora Annette Taddeo, democrata, durante um dos debates. “Não vamos parar até que este estado avance e realmente valorize todos nele, todos, independentemente de sua orientação”.

Enquanto os defensores do projeto dizem que se trata de permitir que os pais tenham controle sobre a educação de seus filhos, os oponentes dizem que ele visa injustamente a comunidade LGBTQ.

O que você achou? Siga @bitmagazineoficial no Instagram para ver mais e deixar seu comentário clicando aqui

Veja mais ›
Fechar